Quando o mundo inteiro assistiu chocado no dia 15 de abril deste ano a tragédia que acometeu o monumento histórico mais visitado da Europa, ainda não se sabia ao certo se a Catedral sobreviveria, quais seriam os danos provocados pelo aquecimento de sua estrutura em pedras calcárias e pela grande quantidade de água empregada para extinguir o fogo. Ao mesmo tempo em que cenas do edifício em chamas eram divulgadas ao vivo em rede mundial, diversas personalidades, comovidas com aquela cena dantesca, se comprometeram a doar muito mais dinheiro do que o necessário para qualquer tipo de intervenção que pretenda restituir o seu esplendor na paisagem urbana parisiense.

Claro que havendo dinheiro disponível tudo se torna mais fácil, mas isso só não basta. Fundamental após um acidente como esse é formar uma equipe de especialistas no assunto para discutir possibilidades, diagnosticar os danos e tomar decisões assertivas de procedimentos de restauro, com o objetivo de não prejudicar a integridade do monumento para sempre.

Decidir como intervir em casos como esse não é tarefa simples. É preciso ter cautela e tempo para observar atentamente o edifício, já que nem todos os efeitos dessa tragédia estão visíveis, e apontar quais as possibilidades de reconstrução e restauro. Sendo assim, divulgar que a Catedral de Notre-Dame estará recuperada em cinco anos é ato irresponsável, que poderá prejudicar a sua preservação de maneira irreversível.

Ainda sem haver uma avaliação do estado de conservação desse patrimônio mundial da UNESCO, foi anunciado pelo primeiro-ministro Édouard Philippe um concurso internacional, que agitou escritórios de arquitetura do mundo inteiro. Começaram então a ser divulgadas propostas ousadas, a maioria delas alterando por completo a antiga cobertura. 

Contradizendo a decisão anterior do concurso, na semana passada o Senado Francês aprovou um projeto de lei que determina a reconstrução fiel das partes destruídas durante o incêndio, aceitando o uso de materiais diferentes ao original, contanto que a sua escolha seja justificada.

Recebida essa nova notícia surgiu uma nova discussão: seria essa a melhor solução para a Catedral parisiense? 

Voltando ao início do século XX encontramos em Veneza um amplo debate sobre o tema da reconstrução de monumentos destruídos. O campanário localizado da Praça de San Marco entrou em colapso e foi transformado numa pilha de escombros. A decisão final foi de reconstruí-la “Como era, onde estava”, empregando técnicas tradicionais e modernas, objetivando a sua estabilidade e buscando deixá-la com aparência o mais próximo possível daquela anterior ao desastre.

Após a Segunda Guerra Mundial algumas áreas devastadas pelas ações bélicas foram reconstruídas, na intenção de recuperar a antiga composição da paisagem urbana, como exemplo podemos citar o centro de Varsóvia. Em alguns edifícios, como a Igreja Memorial Kaiser Wilhelm em Berlim, optou-se por deixá-los em ruínas, erguendo ao lado uma nova construção. 

No caso da Catedral de Notre-Dame a reconstrução dos elementos perdidos exatamente como eram torna-se possível a partir dos desenhos existentes, realizados por exemplo pelas mãos de Viollet-le-Duc no século XIX e digitalmente com tecnologia Laser Scanner 3D, como aqueles produzidos pelo professor Andrew Tallon

Mas mesmo sendo permitido reconstruir o que foi destruído, isso deve ou não ser feito?

A decisão final, que sempre causará polêmica, não poderá de forma alguma ser ato arbitrário. O tema deve ser profundamente discutido por especialistas da área, para que o momento em que vivemos torne-se uma referência na história do restauro de nossa herança cultural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sign Up for Our Newsletters

Get notified of the best deals on our WordPress themes.

You May Also Like

Integer Maecenas Eget Viverra

Aenean eleifend ante maecenas pulvinar montes lorem et pede dis dolor pretium donec dictum. Vici consequat justo enim. Venenatis eget adipiscing luctus lorem.

A Cidade como Ponto de Encontro

“As cidades vivas têm uma estupenda capacidade natural de compreender, comunicar, planejar…

Habitação é a chave para melhorar a cidade

Quando falamos em habitação, do que estamos falando afinal? Muita gente pensa…

Conto de uma cidade sem memória

Capítulo I – O diário da vó Anna Era uma segunda-feira de…