*

Arte e cultura 30.11.2017 — 8:39 am

Casamento internacional de Harry e Meghan é vetado para 2 de cada 5 britânicos

Nesta semana em que o príncipe Harry anunciou seu casamento com americana Meghan Markle, os britânicos voltaram a discutir as dificuldades impostas aos reles mortais locais para se casarem com pessoas de fora da Europa.

No Reino Unido, alguém que não tenha a sorte de ser membro da realeza precisa ganhar pelo menos 18.600 libras por ano (o equivalente a R$ 81.348 ou uma média de R$ 6.779 mensais) para escolher alguém de fora da Área Econômica Europeia (EEA, na sigla em inglês) para se tornar sua esposa ou seu marido. A restrição foi imposta em julho de 2012 pela então secretária do Interior e hoje primeira-ministra Theresa May, considerando que o montante garante que o novo cônjuge não se torne um fardo para o Estado britânico.

De acordo com a colunista Kiri Kankhwende do Independent, citando dados o Observatório da Migração em Oxford, essa possibilidade é inviável para quase metade da população britânica. De cada cinco cidadãos empregados, dois não preenchem o requisito.

Entre eles, muitas mulheres, que, ao se dividirem entre os cuidados dos filhos e da casa optam por salários mais baixos, e os jovens, que têm ganhos compatíveis com a fase de início de carreira. Quem mora fora de Londres também encontra maior dificuldade, especialmente os do sudeste do país, que ganham menos. E mesmo em Londres há disparidades: 41% dos trabalhadores identificados como não-brancos ficam abaixo do limite mínimo, enquanto a proporção de excluídos entre os brancos é de 21%. O dado chama a atenção especialmente quando muitos veículos e colunistas celebraram o fato de que a futura princesa Meghan Markle é mestiça.

“A economia não pode ser a única métrica em um sistema que lida com a vida das pessoas. O comitê encarregado de definir o montante não foi convidado a levar em consideração outras métricas, como o bem-estar dos cidadãos do Reino Unido, residentes permanentes e suas famílias. A questão que precisamos nos fazer é que o amor deveria ter um preço?”, questiona Kiri.

No caso das famílias com filhos, pelo menos 15.000 crianças, a maioria delas cidadãs britânicas, tiveram de sair do Reino Unido porque seus pais não cumprem o requisito econômico. Elas se veem obrigadas a partir com o pai ou a mãe não-britânico enquanto o outro cônjuge permanece tentando atingir o limite mínimo para trazê-las de volta. São as chamas “famílias Skype”, que só conseguem estar juntas no dia a dia virtualmente, gerando ansiedade e estresse tanto nas crianças quanto em seus pais.

Enquanto isso, o príncipe Harry e Meghan Markle aproveitarão a prerrogativa de escolher livremente com quem se casar e ainda desfrutarão do privilégio de poder conviver com seu cônjuge todos os dias.

 

Tags:, , , , ,

Bitnami