*

Tecnologia 23.10.2017 — 9:14 pm

Como o geoprocessamento pode nos ajudar a ocupar a cidade

Alexandre Villares é arquiteto pela FAU-USP, professor na Escola da Cidade e mestrando em Arquitetura, Tecnologia e Cidade pela FEC - Unicamp.  Monica Rizzolli é artista-programadora pelo Instituto de Artes da UNESP e Kunsthochschule Kassel (Alemanha) com projetos nos Estados Unidos, China, Espanha e França

Simon Rogers publicou no The Guardian, em 2012, um artigo divertido: “Qualquer um pode fazer. Jornalismo de dados é o novo punk” (Anyone can do it. Data journalism is the new punk). A brincadeira era que as ferramentas para se fazer jornalismo de dados estavam facilmente acessíveis e, assim como no caso do punk, as guitarras podiam ser tocadas mesmo por quem só saiba poucos acordes. As ferramentas do jornalismo de dados seriam os grandes conjuntos de dados publicamente acessíveis, e também softwares que proporcionam formas de filtrar, organizar, visualizar e analisar esses dados.

Hoje os cursos de “raspagem” de dados do professor Fernando Masanori, cujas oficinas introdutórias com Python tem sido voltadas a um público mais familizarizado com as “ciências humanas”, instigam os participantes a responder todo tipo de pergunta, como: Quantas escolas públicas existem, em funcionamento, sem água, luz e esgoto; Quais as postagens no Twitter em uma determinada região? As oficinas têm uma procura imensa, mostrando que os dados públicos e as ferramentas abertas ainda estimulam iniciativas incríveis (veja abaixo).

O repórter brasileiro Guilherme Felitti faz a ressalva de que, “no fim das contas, o jornalismo de dados não se propõe a substituir o jornalismo de letras. É, na verdade, uma ferramenta a mais na caixa que todo jornalista carrega para apurar seus fatos, contradizer as histórias e descrever o que encontrou para o leitor. O objetivo do jornalista continua o mesmo.”

A Operação Serenata de Amor usa bancos de dados públicos para revelar casos como o pagamento simultâneo de dois jantares em cidades diferentes com verba de uso pessoal e intransferível de deputados e senadores. É um exemplo de jornalismo de dados do tipo Faça Você Mesmo, que se vale não só de dados abertos, mas de informações georreferenciadas, ou seja, atreladas a coordenadas geográficas. O nome dado ao conjunto de tecnologias capazes de coletar e tratar este tipo de informação é geoprocessamento.

Nosso argumento aqui é que, além do jornalismo de dados permitir essa abordagem Faça Você Mesmo, o geoprocessamento também pode fazer isso. Experimente entrar no site do IBGE  e baixar alguns arquivos (quem sabe a base de dados do Censo Demográfico 2010 para o aplicativo Estatcart?), em seguida instalar o software livre de geoprocessamento QGIS, subir algumas das tabelas no Google Fusion Tables ou mesmo utilizar os dados disponíveis nas redes sociais como Facebook, Instagram etc.

No projeto Inequaligram, por exemplo, são feitas análises dos padrões de mídia social em diferentes partes das cidades a partir de imagens disponíveis nas mídias sociais (Instagram) em comparação com dados do censo. A partir dessa análise, o pesquisador Lev Manovich propõe o conceito de “desigualdade em mídias sociais”. Ele demonstra que partes da cidade aparecem em maior ou menor concentração nas redes sociais, o que cria uma imagem da cidade para residentes e visitantes. Algumas partes de uma cidade tornam-se “ricas em mídias sociais”, enquanto outras permanecem “pobres em mídias sociais”. As mídias sociais nos permitem compartilhar com outras pessoas nossas experiências urbanas e auto representações. Algumas áreas estão bem representadas, enquanto outras são invisíveis. Isso afeta diretamente a economia da cidade e a vida social. As áreas bem representadas nas mídias sociais atraem mais pessoas que gastam tempo e dinheiro por ali. As áreas invisíveis são menos propensas a serem visitadas. Mas será que isso as impede de terem suas próprias iniciativas, tais como rodas de samba?

Rodas de samba não exigem investimentos estratosféricos nem estruturas muito complicadas. Permitem improviso e colaboração, exatamente como as ferramentas abertas de geoprocessamento. Mais do que isso, elas ajudam a ocupar espaços públicos da cidade. E onde estão nossas rodas de samba? A iniciativa Código Urbano, uma “frente de abertura de dados e produção de tecnologias livres para as cidades”, propõe um conjunto de ações voltadas à construção de conhecimento para facilitar a participação direta dos indivíduos. Como o projeto BikeIT São Paulo, um mapeamento colaborativo de estabelecimentos amigos do ciclista, idealizado pelo coletivoCRU, e desenvolvido pelo Código Urbano. Encontramos também no site do Código Urbano a divulgação do projeto internacional Wheelmap baseado no OpenStreetMaps (OSM) com o objetivo de mapear lugares acessíveis para cadeirantes da sua cidade.

O OpenStreetMaps é um projeto colaborativo para criar mapas gratuitos e editáveis do mundo todo. No Brasil, os dois principais meios de comunicação dessa comunidade são a lista de discussão e o fórum. A Prefeitura de São Paulo dispõe do Portal de Dados Abertos que reúne conjuntos de dados de todas as secretarias, subprefeituras e empresas públicas municipais. Com esses dados, é possível construir aplicativos, visualizar dados e obter informações essenciais sobre as políticas públicas e a administração da cidade.

Outra iniciativa interessante é o Hack for LA, parte do Code for America. O objetivo desses grupos é reunir todos os tipos de pessoas: ativistas, programadores e cidadãos para pensarem colaborativamente nos problemas das cidades e usarem dados públicos e informações georeferenciadas para propor soluções. O projeto Food Oasis, por exemplo, afirma que todos os moradores de Los Angeles merecem acesso à comida saudável e explora maneiras de facilitar que eles a encontrem. FoodOasis foi justamente assunto de um dos último encontros anunciado no meetUp do grupo Code for São Paulo, formado recentemente.

O geoprocessamento é, portanto, uma forma de criar narrativas da cidade, ocupá-la e apropriar-se dela.

Alexandre Villares é arquiteto graduado pela FAU-USP, professor na Escola da Cidade, faculdade de arquitetura e urbanismo, desde 2005. Mestrando do programa Arquitetura, Tecnologia e Cidade da FEC-Unicamp, onde pesquisa o ensino de programação em um contexto visual. 

Monica Rizzolli é artista-programadora, estudou no Instituto de Artes da UNESP e na Kunsthochschule Kassel (Alemanha). Participou de projetos internacionais como MAK Center Artists and Architects (EUA), Creatives in Residence (China), Sweet Home (Espanha) e A.I.R. DRAWinternational (França). Recebeu o prêmio MAK Schindler, do MAK-Viena.

 

Tags:, , ,

Bitnami